Home / Crônicas / Visitamos à Expocannabis Uruguay 2016

Visitamos à Expocannabis Uruguay 2016

Estande na ExpoCannabis

Montevidéu nos recebeu com um brilhante dia de sol.
A Primavera já estava dizendo adeus quando chegamos, no sábado 10 de dezembro, à rodoviária de Tres Cruzes, para participar da Expocannabis Uruguay 2016.
Entre uma coisa e outra, acabamos chegando ao hotel perto do meio-dia. Estávamos cansados e a credenciamento para a imprensa só começava depois de uma hora, pelo que fomos almoçar, deixando a visita à feira para mais tarde.

A Expocannabis, na sua terceira edição, acontece nas instalações do LATU (Laboratório Tecnológico del Uruguay) um amplo espaço com diversos prédios, na Avenida Itália, no bairro Carrasco.
O registro na entrada, foi rápido e em poucos instantes estávamos dentro do enorme complexo de laboratórios, incubadoras tecnológicas, centros de capacitação, salas de palestras e outras instalações distribuídas pelas 28 hectares que ocupa a instituição.

Clique nas imagens para aumentar.
Clique nas imagens para aumentar.

Quem nos conduzia pelo caminho entre jardins era o eco de Shine On You Crazy Diamond, trazido pela brisa quente… boas-vindas!
Uma pequena multidão se movia nos aredores do Centro de Eventos e ar se perfumava de alguma fumaça de flores de cannabis.
Entramos.

O primeiro salão estava circundado por plantas em diversos estágios de desenvolvimento. Pequenas placas indicavam a variedade e o tempo de cada exemplar. Os visitantes fotografavam à vontade os espécimes mais interessantes.
No meio daquele espaço, mostradores exibiam exemplos das aplicações do cânhamo, artigos de uso comum como malas, confeccionadas com plástico orgânico, copos descartáveis, cordas, papéis e tecidos, vestidos, bonés, cosméticos e uma infinidade de outros artigos.
Um pórtico dava entrada para a feira propriamente dita. Ali, a galera se espraiava pelos estandes, curioseando entre produtos para hidroponia, adubos, sementes, cachimbos, exaustores, sistemas de iluminação, estufas e toda a parafernália existente para produzir e consumir maconha.
Muitas belas plantas ilustravam os resultados obtidos com os produtos em exibição.
Pelos corredores que permitiam transitar ente os estandes, ninguém fumando. Em Uruguai, como em praticamente todo o mundo ocidental, está terminantemente proibido fumar em locais públicos… tabaco ou maconha… mesmas regras.

Música e maconha

Uma música ao vivo ia nos arrastando à uma outra área externa onde o povo assistia a uma banda de salsa, um tipo de som muito popular em Uruguai.
Ali sim, a multidão reunida, muitos sentados em rodas na grama, fumava seu baseado a vontade. Pessoas de diversas idades, a maioria jovens, é claro, mas também muitos já passando dos sessenta.

baseado

Voltamos à área dos estandes onde encontrei o Daniel, amigo de antiga data, que está se registrando como cultivador. O seu interesse é a cannabis medicinal já que está se tratando de uma doença para a qual a maconha é especificamente indicada. A sua companheira também vai tirar proveito da planta pois trabalha com crianças excepcionais.
Comentamos com Daniel sobre a quantidade de visitantes estrangeiros, quase todos pouco mais que adolescentes, quase todos brasileiros, e que, deslumbrados por tanta liberdade, parecem se sentir em uma Disneylândia singular.

Ainda encontro a Samy, brasileiro radicado em Montevidéu, que tem um estande no hall de entrada. Sua empresa, a Senses Biotech, trabalha com um dispositivo eletrônico que permite quantificar os valores dos elementos ativos de amostras de óleos, tinturas ou simples flores de cannabis. Consigo apenas trocar algumas palavras com ele pois seu estande está muito solicitado, fazendo demonstrações e explicando como funciona seu analisador.

Sim, porque desde que o Sindicato Médico do Uruguay, algo assim como A AMB – Associação Médica Brasileira ou as regionais CREMERS ou CREMESP, inaugurou os cursos de Medicina Canábica, muitos médicos estão habilitados a prescrever cannabis medicinal em suas diferentes apresentações e dessa forma, torna-se muito importante conhecer as concentrações de THC (Tetraidrocanabinol), CBD (Cannabidiol) e CBN (Canabinol) de cada composto para estabelecer quantidade, variedade e frequência das receitas médicas.
O dispositivo que a Senses Biotech comercializa, permite também imprimir rótulos adesivos para serem colocados nas amostras.

Circulamos mais um pouco entre a atenta e alegre movimentação dos presentes à feira e decidimos voltar no outro dia para continuar com a visita.

Montevidéu nos recebeu com um brilhante dia de sol. A Primavera já estava dizendo adeus quando chegamos, no sábado 10 de dezembro, à rodoviária de Tres Cruzes, para participar da Expocannabis Uruguay 2016. Entre uma coisa e outra, acabamos chegando ao hotel perto do meio-dia. Estávamos cansados e a credenciamento para a imprensa só começava depois de uma hora, pelo que fomos almoçar, deixando a visita à feira para mais tarde. A Expocannabis, na sua terceira edição, acontece nas instalações do LATU (Laboratório Tecnológico del Uruguay) um amplo espaço com diversos prédios, na Avenida Itália, no bairro Carrasco. O registro…

Gostou? Avalie este artigo.

User Rating: 4.69 ( 5 votes)

Check Also

Expocannabis 2018

Expectativa para a Expocannabis Uruguay 2018

A Expocannabis Uruguay chega em 2018 a sua quinta edição celebrando não apenas o sucesso …

error: Content is protected !!