Home / Notícias / Atletas olímpicos não serão mais punidos por uso de maconha fora das competições.

Atletas olímpicos não serão mais punidos por uso de maconha fora das competições.

Em 1998, Ross Rebagliati, que ganhara a medalha de ouro olímpica pela sua performance na modalidade snowboarding nos Winter Games em Canadá, foi automaticamente desqualificado, perdendo a premiação, por apresentar 17,8 nano miligramas de THC por mililitro de sangue.

Pelas regras atuais Rebagliati não seria sancionado de forma alguma.

A WADA (World Anti-Doping Agency), entidade que regula o uso de produtos químicos por atletas nas atividades esportivas, retirou da sua lista o uso de maconha até o limite de 150 ng/ml, uma quantidade mais do que respeitável para alguém que seja usuário habitual da droga e – importante! – que tenha fumado pouco antes da competição.
O Comitê Olímpico Internacional baniu drogas como maconha e cocaína por serem ilegais e porque, de acordo com seus princípios, violam o “espírito esportivo, enquanto a WADA, criada em 1999, segue três critérios para estabelecer a sua lista de substâncias proibidas: melhoria de desempenho, perigo para a saúde do atleta e violação do espírito esportivo.
Atitudes da sociedade para com a maconha certamente tem contribuído para as mudanças promovidas pela WADA, disse Allen St. Pierre, diretor executivo da National Organization for the Reform of Marijuana Laws (NORML).

“Então cabe se fazer a pergunta: alguém acredita que fumar maconha possa ajudar no desenvolvimento de maiores habilidades atléticas? – questiona St. Pierre – Se não for assim então a cannabis não pode ser jogada junto às outras drogas proibidas, a menos que continue a ser vista como alguma maneira de deformação moral.”

Em 2003, os canabinoides foram responsáveis por 13,9% dos resultados em análises em atletas, de acordo com dados da WADA. Apenas agentes anabólicos como testosterona e outros anabolizantes superaram os resultados com THC.
Já em 2011 esses percentuais tinham diminuído para 7,9% dos resultados de análise.

Enquanto isso, Rebagliati, agora com 45 anos, empresaria um dispensário de maconha medicinal em Whistler, British Columbia, com o sugestivo nome de Ross’ Gold, e é uma importante figura pública na defesa do uso medicinal e recreativo de cannabis.

“Toda vez que algum atleta se encontra em dificuldades na mídia por causa do uso de maconha, eu sou o cara” – disse Rebagliati para USA TODAY Sports – “Eu fui na NBC a defender a Phelps pelo seu uso responsável. Eu disse para eles: Hey! É zero calorias, zero em gordura!”

Check Also

Elisaldo Carlini e Gilberto Castro

Burrice ou estratégia?

Às vezes alguns acontecimentos nos fazem sentir tentados a criar teorias conspiratórias pois pensamos: “Isto …

error: Content is protected !!